Matérias, Notícias, iPad, iPhone/iPod Touch

Conhecendo Ashley Elsdon (Palm Sounds) e notas das minhas pequenas férias

Marcus Padrini novembro 4, 2013 3 Comments »

Quem sempre acompanha o MusicApps, mas não faz parte do grupo no Facebook, deve ter estranhado a redução das postagens por aqui nas últimas duas semana. Após um longo período, finalmente decretei férias de alguns dias para viajar e descansar um pouco. Porém, mesmo nas férias as atividades relacionadas à músicas não pararam. Estive em Londres e aproveitei a oportunidade para curtir algumas boas opções musicais por lá.

Algo bem legal que aconteceu na viagem foi ter me encontrado com Ashley Elsdon, editor do blog britânico Palm Sounds, referência na música com dispositivos móveis. Já conversava com o Ashley há cerca de 3 anos por e-mails e mídias sociais, tendo o privilégio de ter parte do conteúdo do MusicApps postado no Palm Sounds, mas nem mesmo havíamos conversado pelo skype ou algo do gênero até então.

Pude encontrá-lo em um café em Londres e por lá falamos durante um bom tempo sobre música, tecnologia, apps musicais e projetos que estamos envolvidos. Além do excelente trabalho com o Palm Sounds, um verdadeiro news feed da música móvel, Ashley também participa de várias iniciativas relacionadas à música móvel e música eletrônica, como workshops, exibições e outros eventos em Londres e outras cidades europeias.

Ashley se mostrou bastante animado com o presente e o futuro da música com iPhones, iPads e outros dispositivos móveis. Ele citou números bastante expressivos sobre a quantidade de usuários utilizando apps musicais no mundo, citando o sucesso absoluto dos sintetizadores da Korg, por exemplo. Também comentamos sobre iniciativas muito interessantes neste campo, como a de Matthias Krebs (DigiEnsemble) de levar a música móvel às universidades e orquestras. Já publicamos vários posts sobre o assunto por aqui.

Muito receptivo, Ashley me parabenizou pelos vídeos produzidos para o MusicApps. Mais uma vez enalteci o grande serviço prestado pelo Palm Sounds, já há vários anos no ar e com dezenas de postagens semanais. Já considerava o Ashley um bom amigo e foi ótimo conhecê-lo pessoalmente.

Irei postar bastante no MusicApps nesta semana para não deixar de cobrir o que aconteceu sobre a música móvel nos últimos dias, mas aproveito o final deste post para fazer mais alguns comentários sobre a viagem à Londres.

Camel no Barbican Centre

Pude conferir o show de uma das minhas bandas favoritas, que estava retornando aos palcos após mais de uma década. O show do Camel no Barbican Centre foi algo especial.

Royal Albert Hall

Como deixar de conhecer o grandioso Royal Albert Hall? Estivemos lá para prestigiar uma ópera com a Royal Philharmonic Orchestra. Experiência musical incrível.

Estive a Apple Store da Regents Street e gostei bastante da loja. É sempre legal ver uma loja de tecnologia em um prédio de fachada antiga. Segue o padrão das lojas da Apple no mundo: muitos vendedores especialistas espalhados pelos dois andares, vários produtos para experimentar com tranquilidade e grande diversidade de acessórios para Macs, iPads e iPhones, que dificilmente encontramos por aqui.

Gostei bastante da área para experimentar fones e dispositivos móveis.

Em farmácias e outros locais encontramos esta pequena ilha com cartões de várias empresas. O cartões pré-pagos do iTunes permitem a compra de músicas e aplicativos na iTunes e App Store e podem ser adquiridos sem a mínima complicação. Ótimos para quem não quer realizar estas compras no cartão de crédito. Devem aparecer em breve por aqui.

Por fim, um breve comentário sobre a internet, instrumentos musicais e os tempos atuais. Em Londres é realmente difícil encontrar uma boa loja de instrumentos musicais. Simplesmente não há nada parecido com as grandes lojas brasileiras do gênero.

Denmark Street em Londres

A Denmark Street reúne algumas lojas, sendo a maioria voltada para os instrumentos de corda. Na parte de sintetizadores, tecnologia e outros instrumentos musicais o comentário local é que estas compras agora são realizadas pelas internet, em grandes varejistas que operam em toda a Europa. Mesmo quando se acha algo legal nas lojas físicas, é melhor fazer as contas. Muitas vezes não compensa comprar lá algo que também puder ser encontrado por aqui. A Libra é cruel.


Posts Relacionados

3 Comments

  1. Saulo Wanderley novembro 4, 2013 at 2:18 pm - Reply

    Marcus, acho que as grandes lojas de instrumentos estão mesmo em extinção, pois a grande loja de New York – Manny's – também já fechou há uma década. Será a alternativa online? Acredito que não, pois escolher uma guitarra, para ficar em só exemplo, sem a pegada no braço é ruim. Parabéns pelo MusicApps!

    • musicapps novembro 4, 2013 at 3:21 pm - Reply

      Saulo, no caso de Londres, as opiniões que ouvi por lá diziam que as lojas não conseguiram competir com a agressividade dos preços do varejo online. Lojas como a Thomann possuem estoque imenso e preços extremamente agressivos, operando em toda a Europa. Também acho que para determinados instrumentos fica difícil comprar online sem experimentar, mas vejo que outros mercados acabaram dando um jeito de driblar esta dificuldade, como as lojas de calçados e vestuário, por exemplo. A própria Thomann abusa de amostras de áudio, fotos e hotsites que possam tornar a experiência mais agradável. Já a parte de tecnologia e teclados não sofre tanto com este problema. Abs e obrigado!

  2. Saulo Wanderley novembro 5, 2013 at 4:53 am - Reply

    Pois é, magazines de roupa/calçados embarcaram em campanhas tipo "compre online e troque na loja", mas o assunto é muito interessante. Pena que as "entidades" (Abemúsica, Anafima etc.) que gerenciam o mercado musical no Brasil não promovam estudos sobre o tema, diretamente ligado à sobrevivência dos lojistas e dos próprios músicos. Leciono computer music há décadas, e ando fazendo parceria com as lojas iPlace para captar alunos, que são clientes em potencial das lojas e meus, no boom dos gadgets. Infelizmente a maioria das nossas escolas/lojas de instrumentos musicais não acompanharam nem a evolução da tecnologia, sem comentários sobre a pedagogia…

Leave A Response


− um = 6