Moog Sub Phatty: impressões e vídeos do novo compacto analógico da Moog

Igor Cristo, nosso leitor e um apaixonado por sintetizadores, agora conta com outro poderoso instrumento: o compacto analógico Moog Sub Phatty. Em seu blog SynthWay, já havia visto seus vídeos com testes envolvendo apps musicais para o iPad e o sintetizador Moog Little Phatty. Então, pedi ao Igor que nos contasse suas impressões sobre o Sub Phatty, que deve ser um dos primeiros no Brasil.

Ele também participou da fase beta do editor para o Sub Phatty, sendo responsável pela a criação de vários presets que chegarão com o software.

Segundo o Igor:

“É interessante como somos tendenciosos a falar de coisas que gostamos. Isso, no meu caso, é uma regra quando se trata de um instrumento fabricado pela Moog Music. Acredito que não se trata apenas do fato de gostar do instrumento, e sim porque sinto que estou em contato com algo real e não simplesmente uma cópia. Acho que aqueles que tem contato com sintetizadores analógicos me entendem…

Muita gente deve ter interesse na comparação entre Little/Slim e Sub Phatty. Eu honestamente não consigo tecer comentários sobre como um deles é melhor que o outro. O que eu posso dizer com certeza é que se trata de instrumentos parecidos mas que são verdadeiramente diferentes.

A minha impressão até o momento com o Sub Phatty é a melhor possível. Alta qualidade de construção, muitos recursos não esperados, suporte espetacular da empresa e, obviamente, um som que conquista o usuário. O que impressiona imediatamente é a interface, cheia de knobs pedindo para serem usados. É impossível não perder horas mergulhado na síntese com um instrumento como esse. É também impossível não perceber a grande sonoridade que esse pequeno sintetizador tem.

Em termos de sonoridade, eu diria que o Moog Sub Phatty é o mais agressivo possível sem perder a sonoridade característica de outros sintetizadores da empresa. Eles realmente conseguiram oferecer algo com um som mais moderno e gritante, mas que consegue também alcançar as mais suaves tonalidades.

Além do som em si ser diferente, percebe-se a adição de alguns recursos em relação às gerações anteriores, o que torna o pequeno ainda mais atraente. Recursos como LFO key tracking, EG repeat, EG velocity amount, etc. permitem a criação de sons até então impossíveis em um Moog nesse valor.

A única coisa que me desanimou um pouco foi a dificuldade para acessar alguns desses parâmetros mais “profundos”. Mesmo assim, a empresa estará disponibilizando um Editor gratuitamente para facilitar o acesso a estes parâmetros e ainda permitir o armazenamente de uma infinidade de sons, sendo 40 deles criações minhas, que serão distribuídas no lançamento do software. Contribuí nas fases de teste alfa e beta e afirmo que o Editor é excelente!

Falando em valor, imagino que tenha subido muito em relação ao que paguei. Importei o instrumento pagando um total de 3.600 reais, incluindo impostos. Honestamente, acredito que valeu cada centavo! Infelizmente está difícil de achar à venda.

Para finalizar… infelizmente não posso dizer qual dos Phatty é a melhor escolha – acho que o fato de ser apaixonado pelos dois, Little e Sub, dificulta muito escolher por apenas um. Muito obrigado pelo convite Marcus. Fico feliz em poder compartilhar alguma coisa aqui e ajudar este excelente blog. Espero que as pessoas consigam captar a sonoridade deste incrível pequeno gigante!”

Confira outros vídeos do Sub Phatty e outros sintetizadores no canal do SynthWay no Youtube.

Curta e compartilhe!