Matérias, Notícias, Reviews, Reviews de Apps, iPad

Korg iMS-20: synth analógico com roupa nova em tempos de iOS (review)

Marcus Padrini janeiro 10, 2011 4 Comments »

Foram duas semanas de tutoriais, vídeos, gravações e testes MIDI e, finalmente, aqui está o review do Korg iMS-20 para o iPad. A demora não está relacionada a nenhuma dificuldade ou a problemas com o app, pelo contrário, foram justamente seus recursos que me fizeram querer testar sempre um pouco mais antes de escrever sobre ele. Abaixo você encontra o resumo dos testes e das minhas experiências com o Korg iMS-20!

Breve histórico [opcional :)]

Para quem gosta de música e tecnologia, o que hoje é antigo já pode ter sido a revolução musical quando criado. Este é o caso dos sintetizadores analógicos. Estes instrumentos musicais, que explodiram na década de 70, sobreviveram a mais de 40 anos desde o surgimento e ainda conseguem estar na moda. A criação dos sintetizadores analógicos trouxe à música um elemento até então inexistente, a possibilidade de produzir timbres e efeitos totalmente diferentes dos instrumentos tradicionais, utilizando osciladores, modulação, filtros, geradores de ruído e muito mais.  O hit desta era sem dúvida foi o Minimoog que, na época, podia ser considerado “mini”, se comparado ao peso e tamanho dos demais sintetizadores existentes.

minimoog

Mesmo tendo timbres característicos e fazendo a cabeça de tecladistas, os analógicos tinham problemas para serem populares, a começar pelo preço. Um Moog Modular pagava uma casa. Além disso, eram grandes, pesados e ligeiramente sensíveis à impactos e mudanças climáticas. Com a evolução da eletrônica e o aparecimento dos sintetizadores digitais, os analógicos saíram um pouco de cena por algum tempo. Impossível não citar o onipresente Yamaha DX7 e seu parceiro Roland D50 na década de 80, ambos digitais e largamente usados profissionalmente nos palcos pelo mundo. Estes equipamentos já apresentavam preços muito mais acessíveis, além de portabilidade (um DX7 pesa “apenas” 15 Kg).

Depois vieram teclados cada vez mais avançados, mais leves, menores e com uma infinidade de recursos. A música chegou ao computador com a tecnologia MIDI e depois com os instrumentos virtuais e os teclados controladores dedicados. O resto da história você já sabe e está vivendo.

Algumas fábricas de analógicos resistiram ao tempo e seus modelos ainda são muito importantes para músicos de todo o mundo, agora já misturando geração de som analógica à tecnologia MIDI, presets e até conexões USB. Porém, certos analógicos antigos viraram verdadeiros clássicos e teclados diversos ao longo do tempo sempre tentaram reproduzir seus timbres. Um destes modelos marcantes do passado é justamente o Korg MS20, um sintetizador analógico de síntese subtrativa capaz de criar timbres muito variados, dos leads mais velados a baixos potentes e marcantes.

A inspiração

O Korg MS20 foi um dos sintetizadores analógicos portáteis de maior sucesso fabricados pela Korg. Com 36 teclas, dois osciladores, filtros e gerador de ruído, o MS20 é monofônico e foi lançado em 1978. Ainda é utilizado por diversos músicos e pode ser encontrado usado  por cerca de 900 dólares.

Além de portátil e barato, para os padrões da época, o MS20 é uma máquina poderosa para geração de sons analógicos. É também uma ótima ferramenta para aprender mais sobre síntese e processamento de sinal. Um dos charmes do MS20 é justamente o seu painel que trabalha com patch cords, cabos capazes de interligar elementos do sintetizador, provocando alterações no som gerado. O MS20 não possuía arpejador, nem muito mesmo um sequenciador.

Anos depois, a Korg lançaria a versão virtual do MS20 em sua Legacy Collection. Houve até mesmo o lançamento de um controlador para o VST, idêntico ao MS20, porém com dimensões reduzidas e mini teclas. Hoje o plugin do MS20 para PCs e Macs pode ser comprado separadamente.

A chegada ao iPad

O anúncio do iMS-20 para iPad pegou muita gente de surpresa. A Korg não fez muito alarde e simplesmente lançou o app que é a reprodução do MS20, mas com recursos adicionais como a drum machine e o sequenciador. Isto sem falar do mixer e dos efeitos embutidos.

O iMS-20 logo se tornou um sucesso de vendas. Nesta mesma época, MIDI era a bola da vez no iOS. Apps e mais apps ganhando compatibilidade com a tecnologia. Muitos apostaram que a Korg não iria simplesmente implementar a compatibilidade MIDI ao iMS-20, que custa menos da metade da versão VST do MS20. Eu fui um dos céticos. Mais uma vez sem alarde, a Korg simplesmente anunciou a compatibilidade do app com a tecnologia MIDI via Camera Connection Kit. A partir daí o iMS-20 se tornou um ambiente para produção de música no estilo analógico e também um instrumento de performance para o iPad.

Confira o vídeo que fizemos com as primeiras impressões do app, logo após seu lançamento:

Falando em timbres, confira o vídeo com o resumo de exemplos do iMS-20 extraídos de nosso tutorial em vídeo.

A interface

Pense em um projeto bem feito. É o caso. O iMS-20 trouxe o painel do MS20 para a tela do iPad, com todos os controles originais e mais alguns que não existiam no equipamento real. O app oferece três possibilidades para você tocar: um teclado que fica constantemente na tela principal, o teclado dedicado, que tem teclas de tamanho variável e rolagem lateral, e o Kaos Pad, uma verdadeira diversão para gerar notas aleatórias em escalas pré-definidas, variando filtros, volume, modulação e vários outros parâmetros.

O painel traz controles com bom tamanho, mas para melhorar a usabilidade há a opção de dar um zoom nos knobs e controles e trabalhar com mais conforto. Um destaque que não poderia faltar: trabalhar com os patch cords na tela do iPad é realmente muito legal!

Outros detalhes de usabilidade mostram a qualidade do projeto. O teclado, por exemplo. Além de poder rolar as teclas lateralmente é possível trocar rapidamente de oitava, dar pequenos deslocamentos de teclas com dois botões específicos e escolher entre três tamanhos possíveis das teclas. Tanto na tela de navegação de Sessions, como na tela de escolha de presets, é possível ouvir os sons selecionados com muita facilidade. Há botões dedicados para isso.

Sons e Presets

Acho que as grandes dúvida da maioria são: soa como o equipamento real? Tem qualidade? Posso usar na banda? A resposta é um sim, com certeza, para as duas últimas perguntas. Falar que soa como o sintetizador analógico é bem complicado, mas já há um teste realizado para você avaliar.

O que posso garantir é que testei o iMS-20 em comparação com o plugin MS20 para Windows. Sinceramente, não notei diferença alguma nos timbres. Apenas reparei que há pequenas alterações em relação ao comportamento do som usando os mesmos valores de controles em ambos. Ou seja, o som gerado com os mesmos parâmetros configurados em ambos pode variar. São pequenas variações, bem fáceis de se eliminar e igualar o timbre desejado. A diferença crucial aqui é a polifonia. O iMS-20 segue o equipamento original e é monofônico. Já o instrumento virtual para Windows/Mac adicinou 32 vozes de polifonia ao MS20, além de um plugin capaz de processar o áudio de fontes externas, como voz e instrumentos musicais.

O Korg iMS-20 já vem com diversos presets, mas você poderá alterá-los, criar novos e salvá-los com muita facilidade.

A primeira parte do tutorial em vídeo que fizemos sobre o iMS-20 fala de sua interface e timbres, confira:

Novos recursos

Só o iMS-20 como sintetizador de qualidade já seria o suficiente, mas a Korg colocou no pacote uma drum machine e um sequenciador de 16 passos, com a possibilidade de montar músicas extensas. O mais legal destes recursos é que o sequenciador e a drum machines usam os timbres gerados pelo próprio sintetizador e o usuário tem a liberdade de alterá-los como quiser, a qualquer momento. De fato não é o sequenciador mais cheio de recursos deste mundo, mas já é o suficiente para se divertir.

Estão disponíveis 5 canais de instrumentos para a Drum Machine. Cada um pode carregar timbres diferentes e ter sua sequência montada individualmente. 16 patterns podem ser criados e combinados em um sequenciador capaz gerar e gerenciar composições relativamente extensas.

Você pode gravar suas sequências, seja com a mixagem do material do sequenciador, ou até mesmo gerando uma gravação de performance em tempo real. As gravações geram arquivos wav.

Confira o tutorial em vídeo sobre a Drum Machine e o sequenciador do iMS-20:

Você pode controla o Pan, intensidade de efeitos e ganho de cada um dos instrumentos no mixer. Um detalhe interessante: o iMS-20 trabalha com 1 efeito configurável por timbre e mais um efeito geral para o mixer. Desta forma você pode trabalhar com um compressor em determinado timbre, sem deixar de utilizar o reverb ou delay no restante de seus instrumentos.

No mixer, mais uma vez a usabilidade está presente. Botões dedicados de mute e solo, além de um específico para ativar/desativar todas as faixas em mute/solo, o que pode ser ideal para performances de DJs.

MIDI no iMS-20

MIDI no iMS-20 era o que todos queriam desde o momento de seu lançamento. O recurso chegou por meio da implementação de compatibilidade MIDI do iOS 4.2 e com a utilização do acessório Camera Connection Kit para o iPad. Desta forma, é possível controlar parâmetros e tocar com o iMS-20 usando um teclado controlador MIDI USB.

A latência é imperceptível e o iMS pode ser utilizado via MIDI perfeitamente em performances ao vivo, sem o menor problema.

Nossa última parte do tutorial em vídeo sobre o iMS-20 mostrou como fazer isso:

O teclado, a drum machine e os parâmetros do iMS-20 podem ser controlador por um teclado MIDI USB, confira a relação de controles MIDI disponíveis.

O único detalhe: seria excelente se o iMS-20 tivesse compatibilidade com a MIDI Mobilizer da Line 6. Muitos ótimos teclados controladores não têm porta USB e, para utilizá-los com o iMS-20, será necessário comprar um adaptador MIDIxUSB genérico no mercado e torcer para que funcione com o iPad.

Do seu iPad para o mundo

Imagine o dono de um MS20 em 1979. Ele ficava lá por horas experimentando seus timbres, conectando e desconectando cabos do painel, talvez tocando junto com um piano ou outro instrumento. Talvez gravasse algo em um gravador de fita da época e mostrasse para alguém no outro dia.

Na última atualização do iMS-20 talvez a Korg tenha dado os dois passos ainda mais acertados para o sucesso do produto. Além do recurso MIDI, houve a integração com o SoundCloud, uma espécie de rede social de sons e músicas.

O processo não poderia ser mais simples. Grave sua idéia e, pelo próprio app, faça login na sua conta do SoundCloud e envie sua música para a nuvem. Mas não para por aí. A mesma interface que permite este envio deixa você navegar pelos trabalhos e idéias de outros usuários do iMS-20. Você pode ouvir e baixar as músicas que gostar. Tudo simples, rápido e prático.

Decidi fazer o teste produzindo uma versão estranha de California Gurls da Katy Perry e logo depois enviei para o Sound Cloud. Confira a California Korgs (rs):

California Korgs.wav by musicapps

O mais legal é que, praticamente todos os dias, o perfil do iMS-20 no twitter passa pelo SoundCloud marcando suas canções favoritas e divulgando os trabalhos de destaque para todos os seguidores. Confira alguns divulgados recentemente.

nov21 by MattWard

Better Day.wav by thomaspiperjr

O que há de bom:

  • Interface rápida, clara e intuitiva.
  • Ótimo trabalho de usabilidade. Geralmente os botões certos estão nos lugares certos.
  • Grande sonoridade.
  • Set de efeitos variados.
  • Muitos parâmetros configuráveis.
  • Crie, altere e salve presets.
  • Sequenciador e Drum Machines incluídos.
  • Compatibilidade com o Câmera Connection Kit e tecnologia MIDI.
  • Faça upload de suas idéias diretamente para o SoundCloud.

O que poderia melhorar:

  • Compatibilidade com a Midi Mobilier seria muito bem-vinda.
  • Seguindo a idéia do SoundCloud, por que não exportar e compartilhar presets e sequências? Estas opções ainda não estão disponíveis.

E finalmente:

- Korg iMS-20 (sintetizador para iPad)

KORG iMS-20 (AppStore Link) KORG iMS-20
Desenvolvedor: KORG INC.
Preço: USD 29.99
Baixar na App Store!

Tocabilidade (5/5)
Qualidade Sonora: (5/5)
Interface gráfica: (5/5)
Flexibilidade: (4.5/5)
Profissional: (5/5)
Diversão: (5/5)
Geral: (4.9/5)

Conclusão

O Korg iMS-20 é bem mais do que a simples transposição de um instrumento virtual Mac/PC para o iPad. Com criatividade, a Korg conseguiu fazer algo que eu achava difícil de imaginar, tornou a idéia da simulação de um sintetizador analógico algo mais pessoal e divertido. Ele pode ser seu sintetizador de palco, mas também pode ser timbrado no sofá da sala. De qualquer lugar você faz sons, monta músicas e compartilha instantaneamente suas idéias na internet.

A interface é das melhores e mais bonitas já desenvolvidas para o iPad. Usabilidade bem calculada. Você não passa raiva fazendo tarefas na interface, achando que elas poderiam ser de outro jeito. A sonoridade é ótima, assim como toda a parte responsável por gerenciar, criar e salvar presets e canções.

Se você é tecladista ou simplesmente gosta de sintetizadores, aproveite: o app está em promoção, pela metade do preço, até o final deste mês de janeiro. Pode acreditar, é uma das melhores maneiras atuais para se gastar 15 dólares na App Store.


Posts Relacionados

4 Comments

  1. O Pianista agosto 7, 2011 at 3:18 pm - Reply

    Olá marcus tudo bem? Eu toco piano em uma banda com uns amigos e gostaria de saber se vc acha que vale a pena comprar esse app para usa-lo na banda.
    Abraços

    • musicapps agosto 7, 2011 at 6:22 pm - Reply

      Se vc gosta de sons de sintetizadores analógicos, com certeza vale. E se vc tiver controladores MIDI poderá usá-los para controlar o app. Abraço

Leave A Response


+ 3 = seis